STJ absolve acusado de tentativa de furto de frasco de perfume


Notícias - 11/10/2021

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) absolveu um homem acusado de tentar furtar um frasco de perfume de R$ 59,90 em Jaú (SP), após ação da Defensoria Pública do Estado de São Paulo. Ele havia ficado preso por mais de um ano pela tentativa de furto, entre 29 de março de 2019 e 6 de maio de 2020.

O órgão pleiteou a aplicação do princípio da insignificância, o entendimento que afasta a tipificação de crime do ato praticado em casos de menor gravidade.

Inicialmente, o homem foi condenado em primeiro grau a cumprir três anos e quatro meses de prisão em regime fechado. Alegando a insignificância do ato na condição de delito, a defensora pública Thais Guerra Leandro então levou o caso ao TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo).

“Não obstante os argumentos colacionados pelas instâncias ordinárias, levando-se em consideração o valor do bem subtraído, consistente em um frasco de perfume, avaliado em R$ 59,90, em conformidade com a jurisprudência desta Corte de Justiça, de forma excepcional, é possibilitada a aplicação do princípio da insignificância”, afirmou Reis.

O que é o princípio da insignificância?
O princípio da insignificância é o conceito que afasta a existência de crime em casos de menor gravidade.

De acordo com o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, por exemplo, “o princípio decorre do entendimento de que o direito penal não deve se preocupar com condutas em que o resultado não é suficientemente grave a ponto de não haver necessidade de punir o agente nem de se recorrer aos meios judiciais, por exemplo, no caso de um leve beliscão, uma palmada, ou furto de pequeno valor”.

Para que seja aplicado, continua o TJ-DFT, deve se verificar o princípio “em cada caso concreto, de acordo com as suas peculiaridades, sendo obrigatória a presença dos referidos requisitos”. Alguns desses requisitos incluem casos que não representem ofensividade (ou violência) à vítima e danos à coletividade, como furtos de objetos de baixo valor.

A utilização do princípio está sedimentada pelo STF desde 2004. Mas, como este princípio não possui uma previsão legal, ou seja, não há na lei um apontamento de que necessariamente deva ser aplicado, ele funciona apenas como uma orientação.

Em boa parte dos casos, a reincidência criminal ou presença de outros processos envolvendo o réu acaba influenciando na não aplicação do princípio da insignificância, que, porém, não possui considerações sobre o acusado ser ou não reincidente.

Em decisão recente sobre um caso de furto de tampas de hidrantes, o ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), reforçou a avaliação de que a reincidência não deve ser definitiva nesses casos, e absolveu o réu. “Mesma a existência de antecedentes e/ou reincidência, por só si, não afasta a incidência do princípio da insignificância”, escreveu Fachin.

https://t.co/ZGHNXS8kaq?amp=1


facebook icon linkedin icon instagram icon twitter icon google business icon



*RECENTES

Notícias - 27/06/2022
Como denunciar perfil fake de WhatsApp
Tem sido muito comum que criminosos utilizem outro número, fingindo ser você, com a intenção de aplicar golpes e obter vantagem financeira. Se isso acontecer com você, saiba o que fazer
[ leia mais ]

Notícias - 22/06/2022
Ligações excessivas de telemarketing geram dano moral
Consumidores que manifestaram seu desinteresse de forma inequívoca, mas ainda assim continuam recebendo ligações excessivas de telemarketing, podem sim ter direito ao recebimento de dano moral.
[ leia mais ]

Notícias - 13/06/2022
Congresso tem 12 meses para editar Lei complementar sobre ITCMD sobre doações e heranças do exterior
Por unanimidade, os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) declararam omissão legislativa com relação às normas gerais definidoras do Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD) sobre doações e heranças do exterior.
[ leia mais ]

Notícias - 08/06/2022
Mantida penhora de automóvel por ausência de prova de que bem seria indispensável à atividade profissional do devedor
Matéria publicada no site do TRT3, referente a processo patrocinado pelo Sette & M Advogados, no qual garantimos a penhora de veículo de sócio de uma empresa inadimplente, para pagamento de créditos do nosso cliente!
[ leia mais ]

Notícias - 06/06/2022
Telemarketing: Indenização à operadora por ruído intolerável
A 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (TRT5), entendeu pela condenação de uma empresa de telemarketing ao pagamento de adicional de insalubridade em grau médio (20%) à operadora que foi sujeita a situações que ultrapassam o limite toler
[ leia mais ]

Notícias - 03/06/2022
Contribuintes podem ter direito à restituição do ITBI
Segundo decisão da 1ª Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a base de cálculo do Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), é o valor do imóvel transmitido em condições normais de mercado e não o Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU).
[ leia mais ]

Notícias - 01/06/2022
Após separação, é necessário pagamento de pensão para os animais?
A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), julgará recurso que trata da necessidade do pagamento de pensão para animais de estimação após a separação do casal.
[ leia mais ]

Notícias - 30/05/2022
Médico plantonista e o vínculo empregatício
Você sabe quando um médico plantonista pode ter reconhecido seu vínculo empregatício?
[ leia mais ]

Notícias - 25/05/2022
Como funciona a cobrança de uma dívida na esfera judicial
A cobrança de crédito em atraso é comum em uma sociedade em que aspectos econômicos variam constantemente, fazendo com que as pessoas fiquem inadimplentes (faltem com o cumprimento de alguma obrigação). Nesses casos, é possível acionar a justiça para que
[ leia mais ]

Notícias - 23/05/2022
Multa de trânsito pode ser convertida em advertência
Talvez você não saiba, mas o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) traz disposição que garante ao motorista a possibilidade de conversão da multa em advertência. Ficou curioso? Continue a leitura do post.
[ leia mais ]